Análises de ações manipulativas em crianças da primeira infância praticantes de natação

  • Leonardo Geamonond Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Resumen

O objetivo deste estudo foi avaliar a função manipulativa de crianças da primeira infância praticantes de natação. Participaram deste estudo dez crianças de ambos os sexos praticantes de natação na cidade de Uberlândia-MG a seleção foi realizada de forma aleatória. Foi utilizado o protocolo de avaliação do desenvolvimento motor aquático (HOEPA) “Hoja de Observación para la Evolución de la Psicomotricidad Acuática”. O presente estudo identificou que 30,5% dos alunos as vezes manipulavam os objetos de diferentes tamanhos e levavam a borda da piscina, 20,5% não encontraram problemas em deslocar-se com objetos nas mãos. Os resultados obtidos nesta pesquisa nos leva a concluir que o desenvolvimento psicomotor aquático na esfera manipulação se encontra deficitário, devemos intervir precocemente nas alterações bem como estimular o desenvolvimento normal.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Biografía del autor

Leonardo Geamonond, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Sou Leonardo Nunes Gradudo em Educação Física, Pós Graduado em Fisiologia do Esporte, Mestrando em Educação Física - UFTM.

Citas

Paré, M. Dugas, C. (1999). Developmental changes in prehension during childhood. Experimental Brain Research, 128, 125-239.

Caldeira, V. A.; Oliver, F. C. (2007). A criança com deficiência e as relações interpessoais numa brinquedoteca comunitária. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v.17, n.2, p.98-110.

Cantuña, V. (2010). Análisis de la programación de las actividades lúdicas y recreativas para el desarrollo de la psicomotricidad en los niños/as de 4 a 5 años del centro infantil municipal “Gotitas de amor” del Cantón Rumiñahui en el año escolar 2009-2010. Propuesta alternativa. Tesis de grado. Escuela Politécinica del ejército, Ecuador.

Castro, EM. (2006). Desenvolvimento sensório-motor e perceptivo-motor de populações especiais [tese]. São Paulo: Universidade Estadual Paulista. 

Domingues, A. F.; Motti, T. F. G.; Palamin, M. E. G. (2008). O brincar e as habilidades sociais na interação da criança com deficiência auditiva e mãe ouvinte. Estudos de Psicologia, v.25, n.1, p.37-44.

Go Tani. (2013). Comportamento Motor: Aprendizagem e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Guanabara.

Hueara, L.; Souza, C. M. L.; Batista, C. G.; Melgaço, M. B.; Tavares, F. S. (2006). O faz-de-conta em crianças com deficiência visual: Identificando habilidades. Revista Brasileira de Educação Especial, v.12, n.3, p.351-368.

Langendorfer, S. (1987). Prelongitudinal screening of overarm striking development performed under two environmental conditions. In J. Clark & J. Humphrey (Eds.) Advances in motor development research – 1. New York: AMS Press.

Magill, R. A. (2000). Aprendizagem Motora: Conceitos e Aplicações. São Paulo: Blucher.

Mármol, A. G; Rodríguez, M. F. L; Alcaraz Martínez, B. J. S. (2015). Diseño, validación y aplicación de una hoja de observación para la evoluación de la psicomotricidad acuática (HOEPA) en idad infantil. Sports, Revista técnico-científica del Deporte Escolar, Educación Física y Psicomotricidad. Vol. I nº3, pág. 270-292, septiembre.

Martins, V. Silva, António, J. Marinho, Daniel, A. & Costa, Aldo, M. (2015). Desenvolvimento motor global de crianças do 1º ciclo do ensino básico com e sem prática prévia de natação em contexto escolar. Motricidade, 11(1), 87-97.https://dx.doi.org/10.6063/motricidade.3219

Mourao, C. B. (2010). A influência da atividade exploratória na descoberta de Affordances durante o desenvolvimento do alcance, 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências da Reabilitação) Universidade Federal de Minas Gerais.

Oliveira, A. I. A.; Paixao, G. M.; Cavalcante, M. V. C. (2009). Brinquedos adaptados para crianças com paralisia cerebral. Revista do Nufen, ano 1, v.1, p.171-186.

Osorio, M. Herrador, J. (2007). La psicomotricidad como herramienta de recreación y ócio en el ámbito educativo. EFDeportes.com, Revista digital, Buenos Aires, Año (12) nº109, Junio.

Santos, C. A.; Marques, E. M.; Pfeifer, L. I. (2006). A brinquedoteca sob a visão da terapia ocupacional: deferentes contextos. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v.14, n.2, p.91-102.

Siaulys, M. O. C. (2006). Brincar para todos. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial.

Silva, M. M.; Costa, M. P. R. (2011). Brinquedos adaptados na estimulação de crianças pequenas, com baixa visão. Bol. Acad. Paulista de Psicologia,São Paulo, v. 31, n. 81, p. 496-509.

Silva, F. P. S; Rocha, N. A. C. F.; Tudella, E. (2011). Tamanho e rigidez dos objetos influênciam os ajustes proximais e distais do alcance de crianças? Rev. Bras. Fisioter., São Carlos, v. 15, n. 1, p. 37 - 44.

Takatori, M.; Bomtempo, E.; Benetton, M. J. (2001). O brincar e a criança com deficiência física: a construção inicial de uma história em Terapia Ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v.9, n.2, p.91-105.
Publicado
Jun 29, 2017
Cómo citar
Geamonond, L. (2017). Análises de ações manipulativas em crianças da primeira infância praticantes de natação. EducacióN FíSica Y Ciencia, 19(1), e021. doi:10.24215/23142561e021
Sección
Artículos

Palabras clave

Função manipulativa; Controle motor; Natação; Crianças