Análises de ações manipulativas em crianças da primeira infância praticantes de natação

  • Leonardo Geamonond Universidade Federal do Triângulo Mineiro, (Brasil)

Resumen

O objetivo deste estudo foi avaliar a função manipulativa de crianças da primeira infância praticantes de natação. Participaram deste estudo dez crianças de ambos os sexos praticantes de natação na cidade de Uberlândia-MG a seleção foi realizada de forma aleatória. Foi utilizado o protocolo de avaliação do desenvolvimento motor aquático (HOEPA) “Hoja de Observación para la Evolución de la Psicomotricidad Acuática”. O presente estudo identificou que 30,5% dos alunos as vezes manipulavam os objetos de diferentes tamanhos e levavam a borda da piscina, 20,5% não encontraram problemas em deslocar-se com objetos nas mãos. Os resultados obtidos nesta pesquisa nos leva a concluir que o desenvolvimento psicomotor aquático na esfera manipulação se encontra deficitário, devemos intervir precocemente nas alterações bem como estimular o desenvolvimento normal.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Leonardo Geamonond, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Sou Leonardo Nunes Gradudo em Educação Física, Pós Graduado em Fisiologia do Esporte, Mestrando em Educação Física - UFTM.

Citas

Paré, M. Dugas, C. (1999). Developmental changes in prehension during childhood. Experimental Brain Research, 128, 125-239.

Caldeira, V. A.; Oliver, F. C. (2007). A criança com deficiência e as relações interpessoais numa brinquedoteca comunitária. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v.17, n.2, p.98-110.

Cantuña, V. (2010). Análisis de la programación de las actividades lúdicas y recreativas para el desarrollo de la psicomotricidad en los niños/as de 4 a 5 años del centro infantil municipal “Gotitas de amor” del Cantón Rumiñahui en el año escolar 2009-2010. Propuesta alternativa. Tesis de grado. Escuela Politécinica del ejército, Ecuador.

Castro, EM. (2006). Desenvolvimento sensório-motor e perceptivo-motor de populações especiais [tese]. São Paulo: Universidade Estadual Paulista. 

Domingues, A. F.; Motti, T. F. G.; Palamin, M. E. G. (2008). O brincar e as habilidades sociais na interação da criança com deficiência auditiva e mãe ouvinte. Estudos de Psicologia, v.25, n.1, p.37-44.

Go Tani. (2013). Comportamento Motor: Aprendizagem e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Guanabara.

Hueara, L.; Souza, C. M. L.; Batista, C. G.; Melgaço, M. B.; Tavares, F. S. (2006). O faz-de-conta em crianças com deficiência visual: Identificando habilidades. Revista Brasileira de Educação Especial, v.12, n.3, p.351-368.

Langendorfer, S. (1987). Prelongitudinal screening of overarm striking development performed under two environmental conditions. In J. Clark & J. Humphrey (Eds.) Advances in motor development research – 1. New York: AMS Press.

Magill, R. A. (2000). Aprendizagem Motora: Conceitos e Aplicações. São Paulo: Blucher.

Mármol, A. G; Rodríguez, M. F. L; Alcaraz Martínez, B. J. S. (2015). Diseño, validación y aplicación de una hoja de observación para la evoluación de la psicomotricidad acuática (HOEPA) en idad infantil. Sports, Revista técnico-científica del Deporte Escolar, Educación Física y Psicomotricidad. Vol. I nº3, pág. 270-292, septiembre.

Martins, V. Silva, António, J. Marinho, Daniel, A. & Costa, Aldo, M. (2015). Desenvolvimento motor global de crianças do 1º ciclo do ensino básico com e sem prática prévia de natação em contexto escolar. Motricidade, 11(1), 87-97.https://dx.doi.org/10.6063/motricidade.3219

Mourao, C. B. (2010). A influência da atividade exploratória na descoberta de Affordances durante o desenvolvimento do alcance, 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências da Reabilitação) Universidade Federal de Minas Gerais.

Oliveira, A. I. A.; Paixao, G. M.; Cavalcante, M. V. C. (2009). Brinquedos adaptados para crianças com paralisia cerebral. Revista do Nufen, ano 1, v.1, p.171-186.

Osorio, M. Herrador, J. (2007). La psicomotricidad como herramienta de recreación y ócio en el ámbito educativo. EFDeportes.com, Revista digital, Buenos Aires, Año (12) nº109, Junio.

Santos, C. A.; Marques, E. M.; Pfeifer, L. I. (2006). A brinquedoteca sob a visão da terapia ocupacional: deferentes contextos. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v.14, n.2, p.91-102.

Siaulys, M. O. C. (2006). Brincar para todos. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial.

Silva, M. M.; Costa, M. P. R. (2011). Brinquedos adaptados na estimulação de crianças pequenas, com baixa visão. Bol. Acad. Paulista de Psicologia,São Paulo, v. 31, n. 81, p. 496-509.

Silva, F. P. S; Rocha, N. A. C. F.; Tudella, E. (2011). Tamanho e rigidez dos objetos influênciam os ajustes proximais e distais do alcance de crianças? Rev. Bras. Fisioter., São Carlos, v. 15, n. 1, p. 37 - 44.

Takatori, M.; Bomtempo, E.; Benetton, M. J. (2001). O brincar e a criança com deficiência física: a construção inicial de uma história em Terapia Ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v.9, n.2, p.91-105.
Publicado
2017-06-29
Cómo citar
Geamonond, L. (2017). Análises de ações manipulativas em crianças da primeira infância praticantes de natação. Educación Física Y Ciencia, 19(1), e021. https://doi.org/10.24215/23142561e021
Sección
Artículos