Políticas públicas para jóvenes talentos deportivos en Brasil: revelando la "red nacional de entrenamiento"

  • Marcelo Moraes e Silva Dr. Universidade Federal do Paraná, (Brasil)
  • Fernando Marinho Mezzadri Dr. UFPR, (Brasil)
  • Fernando Renato Cavichiolli Dr. UFPR, (Brasil)

Resumen

O presente artigo tem como objetivo compreender como está sendo sistematizada pelo governo federal brasileiro a denominada “Rede Nacional de Treinamento”, principalmente nos aspectos relativos à formação de jovens talentos esportivos. Para alcançar tal intento foram analisadas as fontes oficiais disponibilizadas pelo governo brasileiro A título de conclusão o trabalho aponta que a referida ação encontra-se ainda na fase de implementação, sendo hoje mais um desejo político do que uma realidade que contribua para o desenvolvimento dos jovens talentos esportivos brasileiros.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Marcelo Moraes e Silva Dr., Universidade Federal do Paraná

Doutor em Educação - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Professor do Departamento de Educação Física e do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Fernando Marinho Mezzadri Dr., UFPR

Mestre em Educação - UFPR

Doutor em Educação Física - UNICAMP

Professor do Departamento de Educação Física e do Programa de Pós-Graduação em Educação Física - UFPR

Fernando Renato Cavichiolli Dr., UFPR

Doutor em Educação Física UNIMEP

Pós-Doutor pela Faculdade de Ciencias do Desporto e Educação Física - Universidade de Coimbra

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Física - UFPR

Citas

Athayde, P. F. A., Mascarenhas, F., Matias, W. B. & Miranda, N. N. (2013). O agendamento dos Jogos Rio 2016: Temas e termos para debate. Pensar a Prática, Goiânia, 16(1), 794-816.

Bohme, M. T. S. (1994). Talento esportivo I: aspectos teóricos. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, 8(2), 90-100.

Böhme, M. T. S. (1995). Talento Esportivo Il: Determinação de Talentos Esportivos. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, 9(2), 138-146.

Böhme, M. T. S. (2007). O tema talento esportivo nas ciências do esporte. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, 15(1), 119-126.

Bossio, M. A. R. (2006). Política deportiva: factores reales del sistema deportivo. Liberabit, 12(12), 40-47.

Bracht, V. & Almeida, F. Q. (2003). A política de esporte escolar no Brasil: a pseudovalorização da educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, 24(3), 87-101.

Brasil. (2004). I Conferência Nacional de Esporte – I CNE, Brasília.

Brasil. (2005). Política Nacional de Esporte. Brasília.

Brasil. (2006). II Conferência Nacional de Esporte – II CNE, Brasília.

Brasil (2010). III Conferência Nacional de Esporte – III CNE, Brasília.

Brasil (2011a). Lei nº 12.395, de 16 de março de 2011. Altera as Leis nos 9.615, de 24 de março de 1998, que institui normas gerais sobre desporto, e 10.891, de 9 de julho de 2004, que institui a Bolsa-Atleta, cria os Programas Atleta Pódio e Cidade Esportiva, revoga a Lei no 6.354, de 2 de setembro de 1976, e dá outras providências. Brasília.

Brasil. (2011b). Tribunal de Contas da União. Esporte de alto rendimento / Tribunal de Contas (TCU) Brasília: Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo.

Brasil. (2014). Portaria nº 54, de 21 de março de 2014. Aprova o Manual de Instruções para Contratação e Execução dos Programas e Ações do Ministério do Esporte inseridos no Programa de Aceleração do Crescimento– PAC, visando à implantação de infraestrutura esportiva. Brasília.

Da Costa, L. P. (1971). Diagnóstico de Educação Física/Desportos no Brasil. Ministério da Educação e Cultura.

Daniel, H. J. (2015). Deporte y Estado: Breve análisis de la relación entre el fenómeno deportivo y el estado moderno, con respecto a la situación del deporte en Bolivia (Proyecto de Investigación). Universidad Autónoma Gabriel René Moreno, Facultad de Ciencias Jurídicas, Políticas, Sociales y Relaciones Internacionales, Santa Cruz.

De Bosscher, Shilbi, S., Van Bottenburg, M., Truyens, J. & Knop, P. (2010). Developing a method for comparing the elite sport systems and policies of nations: A mixed research methods approach. Journal of Sport Management, 24(5), 567-600.

Digel, H. (2002). Sport Sociology: A comparison of competitive sport systems. New studies in athletics, 17(1), 37-50.

Donoso, I. et. al. (2007). Evaluación del deportista menor de Iquique, con pruebas físicas relacionadas con la salud. Oñate Impresiones, Chiledeportes, Iquique.

Figuerôa, K. M., Sevegnani, P., Mezzadri, F. M., & Moraes e Silva, M. (2014). Planejamento, ações e financiamento para o esporte em tempos de megaeventos. Motrivivência, 26 (42), 55-71.

Franzese, C. (2010). Federalismo cooperativo no Brasil: da Constituição de 1988 aos sistemas de políticas públicas (Doctoral dissertation Fundação Getúlio Vargas), São Paulo

Fuentes, S. (2015). Bases para un plan estratégico para el Instituto Nacional de Deportes: orientado a la proyección deportiva nacional (Memoria para optar al título de Ingeniero Civil Industrial). Universidad de Chile, Facultad de Ciencias Físicas y Matemáticas, Departamento de Ingenierìa Industrial, Santiago.

Gaya, A. P. B. & Silva, G. (2002). Projeto Esporte Brasil–Indicadores de saúde e fatores de prestação esportiva em crianças e jovens. Manual de aplicação de medidas e testes motores. Revista Perfil, 6(6), 09-34.

Godoy, L. (2013). O sistema nacional de esporte no Brasil: revelações e possíveis delineamentos (Doctoral dissertation). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

Gonçalves, R. & Paiva, A. (2014). Ainda à espera de soluções...Conjuntura da Construção, 12(2), 10-11.

Green, M. & Oakley, B. (2001). Elite sport development systems and playing to win: uniformity and diversity in international approaches. Leisure studies, 20(4), 247-267.

Houlihan, B. (2002). Sport, policy and politics: A comparative analysis. Routledge.
IBGE. Portal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/ Acesso em setembro de 2015.

Levoratti, A. (2010). La Educación Física en políticas socio-educativas destinadas a los jóvenes. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, 32(1), 109-125.

Levoratti, A. (2015). Educación física, deporte y recreación en las políticas públicas. Un análisis de su inscripción en la agenda de temas de revistas científicas de Argentina, Brasil y Colombia (2004-2014). Lúdica Pedagógica, 21(1), 11-17.

Massa, M., Uezu, R., Böhme, M. T. S., Silva, L. R. R., & Knijnik, J. D. (2010). Desempenho esportivo no judô olímpico brasileiro: o talento é precoce? Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 18(1), 5-10.

Massa, M., Uezu, R., Pacharoni, R., & Böhme, M. T. S. (2014). Iniciação esportiva, tempo de prática e desenvolvimento de judocas olímpicos brasileiros. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 36(2), 383-395.

Mazzei, L. C., Bastos, F. C., Ferreira, R. L., & Böhme, M. T. S. (2012). Centros de Treinamento Esportivo para o Esporte de Alto Rendimento no Brasil: um estudo preliminar. Revista Mineira de Educação Física, Ed. Esp., (1), 1575-1584.

Meira, T. B., Bastos, F. C. & Böhme, M. T. S. (2012). Análise da estrutura organizacional do esporte de rendimento no Brasil: um estudo preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 26(2), 251-62.

Mezzadri, F. M., Moraes e Silva, M., Figuerôa, K. M. & Starepravo, F. A. (2015). Sport Policies in Brazil. International Journal of Sport Policy and Politics, 7(4), 655-666.

Ministério do Esporte. (2015). Portal do Ministério do Esporte do Brasil. Disponível em: http://www.esporte.gov.br/ Acesso em setembro de 2015.

Pogrebinschi, T. & Santos, F. (2011). Participação como representação: o impacto das conferências nacionais de políticas públicas no Congresso Nacional. Dados (Rio de Janeiro. Impresso), Revista de Ciências Sociais, 54, 21-47.

Moraes e Silva, M., Mezzadri, F. M., Santos, N., Camargo, P. R, Figuerôa, K. M. (2015). La configuración de la ordenación legal relacionada a la financiación del gobierno brasileño hacia el deporte de elite: un análisis a partir de la Teoría de los Juegos de Norbert Elias. Lúdica Pedagógica, 21(1), 77-89.

Polo, Y. C. M. (2014). Modelo de gestión deportiva para el municipio de Quibdó. Suma de Negocios, 5(12), 148-157.

Reis, N. S., Athayde, P. F. A., Nascimento, E. L., & Mascarenhas, F. (2015). Programa de formação esportiva na escola–Atleta na Escola: fundamentos lógicos e circunstâncias históricas. Motrivivência, 26 (44), 190-206.

Rincón Martínez, D. P. (2011). Politica pública orientada al deporte colombiano. (Ensayo para optar al título de Especialista en Finanzas y Administración Pública). Universidad Militar Nueva Granada, Facultad de Ciencias Económicas, Bogotá.

Santos, E. S., Starepravo, F. A. & Neto, M. S. S. (2015). Programa “Segundo Tempo” e o vazio assistencial na região Nordeste. Movimento, 21(3), 759-771.

Sousa, E. S. D., et. al. (2010). Sistema de monitoramento & avaliação dos programas Esporte e Lazer da Cidade e Segundo Tempo do Ministério do Esporte. Belo Horizonte, O Lutador.

Starepravo, F. A. (2011). Políticas públicas de esporte e lazer no Brasil: aproximações, intersecções, rupturas e distanciamentos entre os subcampos político/burocrático e científico/acadêmico (Doctoral dissertation). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Thumm, H. (2006). Talent identification in Indonesia: A model for other countries? New Studies in Athletics, 21(2), 29.
Yáñez, R. O. (2013). Política pública del deporte en Colombia. Educación Física, Deporte, Recreación y Actividad Física: construcción de ciudadanías, Universidad de Antioquía, Medellín, 86-110.

Vaeyens, R., Güllich, A., Warr, C. R. & Philippaerts, R. (2009). Talent identification and promotion programmes of Olympic athletes. Journal of sports sciences, 27(13), 1367-1380.

Velasquez, R. R. C. (2011). Factores sociales que influyen en la formación deportiva de adolescentes. Lúdica pedagógica, Bogotá, 2(16), 39-48.

Vieira, L. F. (1999). O processo de desenvolvimento de talentos paranaenses do atletismo: um estudo orientado pela teoria dos sistemas ecológicos (Doctoral dissertation). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.
Publicado
2018-10-26
Cómo citar
Dr., M., Dr., F., & Dr., F. (2018). Políticas públicas para jóvenes talentos deportivos en Brasil: revelando la "red nacional de entrenamiento". Educación Física Y Ciencia, 20(3), e055. https://doi.org/10.24215/23142561e055
Sección
Artículos