Uma história do tênis no Brasil

apontamentos sobre os clubes esportivos e seus métodos de ensino

  • Gabriel Henrique Treter Gonçalves Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID), (Brasil)
  • Alice Beatriz Assmann Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID), (Brasil)
  • Guy Ginciene Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS), Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID), (Brasil)
  • Carlos Adelar Abaide Balbinotti Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID), (Brasil)
  • Janice Zarpellon Mazo Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID), (Brasil)

Resumen

O estudo trata de investigar a prática esportiva do tênis nos primeiros clubes no Brasil, buscando evidências sobre os métodos utilizados para ensinar o esporte. Para tal, recorreu-se à revisão bibliográfica e a análise documental das fontes coletadas para a pesquisa. A interpretação das informações revelou que a prática do tênis desenvolveu-se de forma significativa nos clubes e alastrou-se para outros espaços sociais. Também há indícios que nos clubes foram experimentados e modificados métodos de ensino do tênis pelos instrutores/professores ao longo do tempo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Assmann, A. B., Mazo, J., & Silva, C. F. (2017). Sport: Uma concepção emergente no jornal Kolonie. Revista Motrivivência, 29(esp.), 77-91.

Balbinotti, C. A. A., & Mazo, J. Z. (2005). Tênis em Porto Alegre-RS. In: Mazo, J. Z., & Reppold Filho, A. P. (Org). Atlas do Esporte no Rio Grande do Sul (pp. 81). Porto Alegre, Shape.

Boudens, E. (2002) CPI CBF/NIKE: Textos e Contexto III – Justiça Desportiva. Estudo. Fevereiro.

Brustolin, M. (1995). Tênis no Brasil: História, ensino e idéias. Rio de Janeiro: Sprint.

Cantarino Filho, M. R. (2006). Clubes esportivos e recreativos em Niterói. In: Lamartine, D. C. (org) Atlas do Esporte no Brasil. Rio de Janeiro: CONFEF.

Carta, G., & Marcher, R. (2004). O Tênis no Brasil: de Maria Esther Bueno a Gustavo Kuerten. São Paulo: Conex.

Cortela, C. C., Aburachid, L. M. C., Souza, S. P., Cortela, D. N. R., & Fuentes, J. P. (2013). A formação inicial e continuada dos treinadores paranaenses de tênis. Conexões: Campinas, 11(2), 60-84.

Cortela, C. C., Fuentes, J. P., Aburachid, L. M. C., Kist, C., & Cortela, D. N. R. (2012). Iniciação esportiva ao tênis de campo: Um retrato do programa Play and Stay à luz da pedagogia do esporte. Conexões: Campinas, 10(2), 214–234.

Cortela, C. C., Gonçalves, G. H. T., Klering, R. T., & Balbinotti, C. A. A. (2016). O “estado da arte” das publicações sobre tênis em periódicos nacionais. Coleção Pesquisa em Educação Física, 15(2), 143-151.

Creek, F. N. S. (1952). Teach yourself lawn tennis. London: English Universities Press.

Crespo, M. (1996). Mini-tenis: un medio para el aprendizaje del tenis. Apunts: Educación Física y Deportes, (44), 42–50.

Crespo, M., & Miranda, M. A. (2001). Evolución de la metodología en la enseñanza del tenis. Educación Física, 255, 16-21.

Davenport, J. (1966). The history and interpretation of amateurism in united states lawn tennis association (Doctor of Philosophy). Graduate School of The Ohio State University.

Dias, J. M., Santos, S. G., Silva, O. J., Abes, L. O., Carabagialle, M. A., & Siqueira, S. G. (2002). O ensino e aprendizagem de tênis nos cursos de Educação Física. In: Anais da Jornada Internacional de Treinamento e Organização do Tênis, (pp. 105-107, n. 4). Florianópolis: NETEC.

Fuentes, J. P. (2001). Análisis de la formación y de los planteamientos didácticos del entrenador de tenis de alta competición en España (Tese de Doutorado). Faculdade de Ciências do Desporto, Universidade de Extremadura, Cáceres.

Fuentes, J. P. (2009). Métodos de ensino e destrezas de comunicação no ensino do tênis. In: Balbinotti, C. O Ensino do Tênis: Novas Perspectivas de Aprendizagem (pp. 46-60). Porto Alegre: Artmed.

Fuentes, J. P., & Villar, F. A. (2004). El entrenador de tenis de alto rendimento – un estudio sobre su formación inicial y permanente. Aprosuba, Badajoz.

Gonçalves, G. H. T., Cortela, C. C., Klering, R. T., Bulso, R. V., & Balbinotti, C. A. A. (2016). O papel da competição infantil de tênis no desenvolvimento dos fundamentos técnico-táticos básicos. Conexões, 14(2), 30-52.

Gonçalves, G. H. T., Klering, R. T., Aires, H., & Balbinotti, C. A. A. (2016). Tennis competition’s contributions to children’s education and personal development. Journal of Physical Education, 27(e2738), 1-14.

Guedes, C. M., Zief, S. G., & Negreiros, P. J. L. C. (2006). Clubes de imigrantes em São Paulo – SP. In: Lamartine, D. C. (org) Atlas do Esporte no Brasil (pp. 197-199). Rio de Janeiro: CONFEF.

Harvey, S., & Jarrett, K. (2013). A review of the game-centred approaches to teaching and coaching literature since 2006. Physical Education & Sport Pedagogy, 19(3), 1–23.

Harvey, S., Pill, S., & Almond, L. (2017). Old wine in new bottles: a response to claims that teaching games for understanding was not developed as a theoretically based pedagogical framework. Physical Education and Sport Pedagogy, 23(2), 166-180. DOI: 10.1080/17408989.2017.1359526.

Lake, R. J. (2008). Social exclusion in british tennis: a history of privilege and prejudice (Thesis Doctor of Philosophy). School of Sport and Education, Brunel University.

Lake, R. J. (2010). Stigmatized, marginalized, celebrated: Developments in lawn tennis coaching, 1870-1939. Sport in History, 30(1), 82–103.

Lake, R. J. (2015). A social history of tennis in Britain. New York: Routledge

Lewis, D. (2011). Rethinking tennis for the big society. London: Economic Policy Centre.

Marques, A. T. (2000). As profissões do corpo: treinador. Treinamento Desportivo, 5(1), 4-8.

Mazo, G. Z. (2006). Clubes e sociedades esportivas das cidades de Florianópolis, Blumenau e Joinville, SC. In: Lamartine, D. C. (org) Atlas do Esporte no Brasil (pp. 202-204). Rio de Janeiro: CONFEF.

Mazo, J. Z. (2007). A nacionalização das associações esportivas em Porto Alegre (1937-1945). Movimento, 13(3), 43-63.

Mazo, J., & Balbinotti, C. (2009). A história do tênis na Era Moderna. In O ensino do tênis: novas perspectivas de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed Editora.

Mezzadri, F. (2006). Clubes sociais e esportivos no estado do Paraná. In: LAMARTINE, D. C. (org) Atlas do Esporte no Brasil (205-207). Rio de Janeiro: CONFEF.

Mueller, J., & Miranda, M. (2006). Tênis. In: Lamartine, D. C. (org) Atlas do Esporte no Brasil (278-280). Rio de Janeiro: CONFEF.

Novena, N. P., & Silva, S. C. (1990). Tênis, um pouco de história. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 4(2).

Nunes, M. (1995). A formação e o treinador de futebol. Revista Horizonte, 68, 75-78.

Pereira, E. L., Mazo, J. Z., & Balbinotti, C. A. A. (2010). Federação Rio-Grandense de Tênis: mudanças impostas pelo Decreto-Lei nº 3.199 de 1941. Recorde: Revista de História do Esporte, 3(2).

Pires, R. G., Dias, C. A. G., & Leite, M. C. M. (2014). Jequié Tênis Clube: inspirador da modernidade esportiva local. Revista Eletrônica Discente História.com, 2(4), 30-37.

Thorpe, R., Bunker, D., & Almond, L. (1986). Rethinking games teaching. Leicstershire: Univesity of Loughborough.

Silva, H. R. da. Sogipa: Uma trajetória de 130 anos (publicação comemorativa). Porto Alegre: Gráfica Editora Palloti, Editores Associados Ltda, 1997.

Sem autor (1917). Turner-Bund Porto Alegre: 1892-1917. Porto Alegre: Typographia Mercantil – Irmãos Siegmann.

Vaile, P. A. (1915). The Tennnis Primer. New York: American Sports Publishing Company.

Vaz. L. (2006). Cluster esportivo de São Luís do Maranhão, 1860 – 1910. In: Lamartine, D. C. (org) Atlas do Esporte no Brasil (pp. 51-52). Rio de Janeiro: CONFEF.
Publicado
2018-07-27
Cómo citar
Gonçalves, G., Assmann, A., Ginciene, G., Balbinotti, C., & Mazo, J. (2018). Uma história do tênis no Brasil. Educación Física Y Ciencia, 20(3), e057. https://doi.org/10.24215/23142561e057
Sección
Artículos