Atletismo e escola: interfaces com o conhecimento e desenvolvimento humano discente

  • Rodolfo Silva da Rosa Rosa Universidade Federal de Santa Catarina, (Brasil)
  • Felipe Goedert Mendes Universidade Federal de Santa Catarina, (Brasil)
  • Edison Roberto de Souza Souza Universidade Federal de Santa Catarina, (Brasil)

Resumen

Este estudo objetivou, a partir de uma intervenção pedagógica, com o conteúdo Atletismo enfatizando aspectos históricos e culturais, analisar suas interfaces com a formação, conhecimento e desenvolvimento humano dos alunos na Educação Física Escolar. Nesse processo de introduzir e contextualizar o tema experimentado optou-se pelo jogo como ferramenta de aprendizagem. As unidades foram determinadas pelas provas atléticas de correr, lançar e saltar. A experiência se desenvolveu numa turma de vinte e cinco alunos do 6º ano do Ensino Fundamental de uma Escola Pública no município de São Jose (SC), Brasil. As aulas foram filmadas para posterior análise. Ainda, na avaliação, utilizou a entrevista semiestruturada empregando a técnica do grupo focal. Com a ida do Atletismo a escola, ao introduzir e resgatar elementos da história do homem, desenvolvendo conhecimento, as vivências lúdicas com o jogo, oportunizaram ao aluno, competências, saberes e valores, que contribuíram significativamente em seu desenvolvimento humano.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

André, M. H., Mandigo, J. L. (2013) Beyond the Game: Analyzing the usefulness of games to promote life skills development. Pensar a Prática, 16(4), 1256–1270.

Bardin, L.(2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Grupo Almedina.

Bettega, O. B., Prestes, M. F., Lopes, C. R., Galatti, L. R. (2015). Pedagogia do Esporte: o jogo como balizador na iniciação ao futsal. Pensar a prática, 18(2), 487-501.

Carlan, P., Kunz, E., Fensterseifer, P. E. (2012). O esporte como conteúdo da Educação Física escolar: Estudo de caso de uma prática pedagógica “inovadora”. Movimento (UFRGS), 18(4), 55–75.

Camiré, M., Trudel, P. (2013). Using High School Football to Promote Life Skills and Student Engagement: Perspectives from Canadian Coaches and Students. World Journal of Education, 3(3), 40–51.

Camiré, M., Trudel, P., Forneris, T. (2014). Examining how model youth sport coaches learn to facilitate positive youth development. Physical Education and Sport Pedagogy, 19(1), 1–17.

Daolio, J. (2002). Jogos esportivos coletivos: dos princípios operacionais aos gestos técnicos – modelo pendular a partir das idéias de Claude Bayer. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 10(4), 99-103.

Daolio, J., Velozo, E. L. (2008). A Técnica Esportiva como Construção Cultural: Implicações para a Pedagogia do Esporte. Pensar a pratica, 11(1), 9-16.

Delors, J. (1998). Educação um tesouro a descobrir – Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. São Paulo: Editora Cortez.

Duarte, O. (2000). História dos Esportes. São Paulo: MAKRON Books.

Freire, J. B. (2012). Ensinar o esporte, ensinando a viver. Poro Alegre: Mediação.

Freire, J. B., Goda, C. (2008). Fabricando as oficinas do jogo como proposta educacional nas séries iniciais do ensino fundamental. Movimento, 4(1), 111–134.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

Huizinga, J. (1980). Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva.

Iora, J. A., Marques, C. L. (2013) O atletismo escolar: proposta de organização de aulas a partir da proposta crítico emancipatória e didática comunicativa. Pensar a Prática, 16(2), 320-618.

Iora, J.A., Fiorenza, M. C., Rios, K. R. y Rosa, R. S. (2016). A Construção de Materiais e a Utilização de Espaços Alternativos para o Ensino do Atletismo. Saude e desenvolvimento humano, 4(2), 79-88.

Kunz, E. (2001). Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí.

Leontiev, A. N. (1978). Sobre o desenvolvimento histórico da consciência. In A.N. Leontiev. O desenvolvimento do psiquismo (pp. 89-142). Lisboa: Horizonte Universitário.

Machado, G. V., Galatti, L. R., Paes, R. R. (2014). Pedagogia do esporte e o referencial his-tórico-cultural: Interlocução entre teoria e prática. Pensar a prática, 17, 414-430.

Mauad, A. M. (2004). Fotografia e história: possibilidades de análise. In M. Ciavatta y N. Alves (org.). A leitura de imagens na pesquisa social: história, comunicação e educação (pp. 19-36). São Paulo: Cortez.

Merleau-Ponty, M. (2011). Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes.

Morais, N. A., Koller, S. H. (2004). Abordagem ecológica do desenvolvimento humano, psicologia positiva e resiliência: Ênfase em saúde. In S. H. Koller (Ed.), Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenção no Brasil (pp. 91-107). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Morgan, D. (1996). Focus Groups. Annual Review Sociology, 22,129-152.

Morin, E. (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Editora Cortez.

Oliveira, A. (2008) A participação do atleta negro no esporte: das pistas de atletismo às pistas de Fórmula 1. Lecturas, Educación Física y Deportes. Disponível em http://www.efdeportes.com/efd126/a-participacao-do-atleta-negrono-esporte.htm.

Rosa, R. S., Souza, E. R., Mendes, F. G., Wandscheer, R., Backes, A, F. (2017). Atletismo como conteúdo foi a escola: olhares discentes sobre a experiência de ensino. Pensar a Prática, 20(1),15-25.

Souza, E. R. (2001). Do corpo produtivo ao corpo brincante: o jogo e suas inserções no desenvolvimento da criança (Tese Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.
Publicado
2019-12-18
Cómo citar
Rosa, R., Mendes, F., & Souza, E. (2019). Atletismo e escola: interfaces com o conhecimento e desenvolvimento humano discente. Educación Física Y Ciencia, 21(3), e090. https://doi.org/10.24215/23142561e090
Sección
Artículos

Artículos más leídos del mismo autor/a