Formação Superior em Educação Física no Brasil: um estudo de caso

  • Leon Ramyssés Vieira Dias Universidade Federal do Rio de Janeiro (GEPVM - UFRJ), (Brasil)
  • André Malina Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGTDS/EEFD), (Brasil)
  • Sílvio de Cássio Costa Telles Universidade Estadual do Rio de Janeiro (PPGCEE), (Brasil)
  • Antônio Cláudio Gomez de Sousa Universidade Federal do Rio de Janeiro, (Brasil)
  • Ângela Celeste Barreto de Azevedo Universidade Federal do Rio de Janeiro, (Brasil)

Resumen

A formação superior em Educação Física vem sendo cada vez mais discutida por pesquisadores da área. Hoje, o curso é dividido em licenciatura e bacharelado, regulamentados pelas Resoluções CNE/CP 01/02 e CNE/CES 07/04, respectivamente. Com a nova Resolução (CNE/CES, 584/2018) que aguarda homologação, no entanto, dentre outras modificações, será possível que as Instituições de Ensino Superior ofereçam as duas formações em um único currículo. Em posse de tal debate, o presente artigo tem como objetivo geral comparar e analisar os Projetos-Político-Pedagógicos de uma Universidade Federal que oferece, em currículos distintos, os cursos de licenciatura e bacharelado. A partir de uma ampla coleta de dados, utilizou-se uma metodologia de estudo de caso para retratar as possíveis aproximações e os possíveis distanciamentos entre os cursos de licenciatura e bacharelado nas Universidades Federais. Além disso, os dados foram também tratados qualitativamente inspirados no princípio educativo de Antonio Gramsci. Como resultado, pôde-se observar que há uma ampla gama de disciplinas comuns aos dois cursos, bem como uma proposta de formação aproximada, apesar de serem oferecidos separadamente. Desse modo, concluiu-se que a oferta do curso de Educação Física separadamente pode ser reconceptualizada e repensada a partir das novas Diretrizes Curriculares.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Antunes, AC. (2007). Mercado de Trabalho e Educação Física: aspectos da preparação profissional. RevEduc, 10(10), 141-149.

Azevedo, ÂCB. (2016). Fundamentos da Teoria Curricular para (Re)Formulação de Projetos Pedagógicos em Educação Física. Campo Grande:. Editora UFMS.

Azevedo, ÂCB. (2013). História da Educação Física no Brasil: Currículo e Formação Superior. Campo Grande: Editora UFMS.

Baffi, MAT. (2002). Modalidades de pesquisa: um estudo introdutório. Petrópolis.

Betti, M., Knijnik, J., Venâncio, L., Sanches Neto, L., y Daólio, J. (2014). Fundamentos filosóficos e antropológicos da Teoria do Se-movimentar e a formação de sujeitos emancipados, autônomos e críticos: o exemplo do currículo de Educação Física do Estado de São Paulo. Movimento, 20(4), 1631-1653. Porto Alegre.

Brasil. CNE. (2002). Resolução nº 1, de 18 de Fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Conselho Pleno do Conselho Nacional de Educação, Brasília.

Brasil. CNE. (2004). Resolução nº 7, de 31 de Março de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física, em nível superior de graduação plena. Câmara de Ensino Superior do Conselho Nacional de Educação, Brasília.

Brasil. CNE. (2018). Resolução nº 584, de 03 de Outubro de 2018. Institui as novas Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Educação Física. Câmara de Ensino Superior do Conselho Nacional de Educação, Brasília.

Dias, LRV., Malina, A., y Azevedo, ÂCB. (2017). Formação Profissional e Formação Humana. In A. C. B. Azevedo & A. Malina (Eds). Formação Profissional e Formação Humana em Educação Física. (pp. 45-68). Campo Grande: Editora UFMS.

Gil, AC. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª. São Paulo: Atlas S. A.

Goodson, IF. (2008). Currículo: Teoria e História. Petrópolis: Vozes.

Gramsci, A. (2001). Cadernos do cárcere. Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Volume 2, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Lupton, D. (2003). Desenvolvendo-me por inteiro": cidadania, neoliberalismo e saúde contemporânea no currículo de Educação Física. Movimento, 9(3), 11-31.

Malina, A. (2016). Gramsci e a Questão dos Intelectuais. Campo Grande: Editora UFMS.

Meirinho, M., y Osório. A. (2010). O Estudo de Caso como Estratégia de Investigação em Educação. EDUSER: revista de educação, 2(2), 49-65.

Neira, MG. (2017). Desvelando Frankensteins: interpretações dos currículos de Licenciatura em Educação Física. Rev. Int. de Form. de Professores (RIFP), 2(2), 189-211.

Rivilla, AM., Garrido, MCD., y Gonçalves, FR (2011). Formación Del Profesorado Universitario en lãs Competencias Docentes. Rev. hist.edu.latinoam 17(13), 119-138.

Silva, TT. (2002). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Triviños, ANS. (1987). Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas.

Universidade 1. (2006a). Projeto Político-Pedagógico do curso de licenciatura.

Universidade 1. (2006b). Projeto Político-Pedagógico do curso de bacharelado.

Ventura, MM. (2007). O Estudo de Caso como Modalidade de Pesquisa. Rev SOCERJ, 20(5), 383-386.

Vieira, RAG., y Neira, MG., Identidade docente no ensino superior de educação física: aspectos epistemológicos e substantivos da mercantilização educacional. Movimento, 22(3), 783-794.
Publicado
2019-12-20
Cómo citar
Dias, L., Malina, A., Telles, S., Gomez de Sousa, A., & Azevedo, Ângela. (2019). Formação Superior em Educação Física no Brasil: um estudo de caso. Educación Física Y Ciencia, 21(4), e103. https://doi.org/10.24215/23142561e103
Sección
Artículos