Construção da identidade profissional docente de estagiários em educação física

  • Veruska Pires ESEFID/UFRGS, (Brasil)
  • Gelcemar Oliveira Farias Universidade do Estado de Santa Catarina, (Brasil)
  • Paula Maria Fazendeiro Batista Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, (Brasil)

Resumen

O objetivo do estudo foi analisar a construção da identidade profissional de estudantes estagiários em Educação Física, considerando as categorias estabelecidas por Dubar (1997), a partir das experiências vivenciadas nos tempos anteriores à formação inicial, na formação inicial e nos estágios curriculares. Participaram 59 estudantes de dois cursos de licenciatura em Educação Física de Florianópolis. As evidências revelaram que os tempos anteriores à formação inicial estão carregados de processos identitários biográficos a partir da identidade herdada. Na formação inicial, a identidade herdada perde seu espaço para uma identidade visada, mas com marcas da identidade social virtual. Os poucos ensaios sobre e na docência efetivados nos estágios garantem a configuração de uma identidade requerida, com base nos atos de atribuição e pertença. Conclui-se que a identidade docente individual é marcada pelas crises identitárias, originadas num tempo de descobertas e solicita uma identidade docente coletiva para se concretizar numa identidade social real.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Alarcão, I. (2014). Desenvolvimento profissional, interação colaborativa e supervisão. In: Machado, J. & Alves, J. M. (Ed.) Políticas de governação e liderança das escolas (pp. 22-33.). Coleção e-book. PortoUniversidade Católica Editora.

Albuquerque, A. A., Pinheiro, C. M., & Batista, P. F. (2013). Crenças e concepções de estudantes de educação física ao longo da formação inicial: estudo nos setores público e privado em Portugal. Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde, 11(2), 127-147.

Almeida, L., & Fensterseifer, P. E. (2007). Professoras de Educação Física: duas histórias, um só destino. Movimento, 13(2), 13-3. Acesso em: https://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/3542/1945

Batista, P. M. F., Pereira, A. L., e Graça, A. B. S. (2012). A (re)configuração da identidade profissional no espaço formativo do estágio profissional. In: Nascimento, J. V.; Farias, G. O. (Eds.). Construção da identidade profissional em Educação Física: da formação à intervenção (pp. 81-112). Florianópolis: Ed. da UDESC.

Batista, P. (2011). Modelação da competência: desafios que se colocam ao estágio profissional. A. Albuquerque, C. Pinheiro, L. Santiago & N. Nunes (Eds.), Educação física, desporto e lazer: perspectivas luso-brasileiras/3º Encontro Educação Física, Desporto e Lazer, 429-442. Maia: Edições ISMAI

Benites, L. C., do Nascimento, J. V., Milistetd, M.,& Farias, G. O. (2017). Análise de conteúdo na investigação pedagógica em educação física: estudo sobre estágio curricular supervisionado. Movimento, 22(1), 35-50.DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.53390

Benites, L. C., de Souza Neto, S., Borges, C., & Cyrino, M. (2012). Qual o papel do professor-colaborador no contexto do estágio curricular supervisionado na Educação Física? Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 20(4), 13-25.DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v20i4.3286

Benites, L. C., & Souza Neto, S. (2011). Educação física, professores e estudantes: a escolha da docência como profissão e os saberes que lhe são constitutivos. Pensar a Prática, 14(2).DOI: https://doi.org/10.5216/rpp.v14i2.12111

Borges, C. (2008). A formação docente em Educação Física em Quebec: saberes, espaços, culturas e agentes. In: Traversini, C. et al. (Eds.). Trajetória e processos de ensinar e aprender: práticas e didáticas. (pp. 147-174). Porto Alegre: EDIPUCSRS.

Borges, C. M. F.,& Desbiens, J. (2005). Saber, formar e intervir para uma Educação Física em mudança. Campinas: Autores Associados.

Brasil, V. Z., Ramos, V., de Barros, T. E. D. S., Godtsfriedt, J., & do Nascimento, J. V. (2015). A trajetória de vida do treinador esportivo: as situações de aprendizagem em contexto informal. Movimento, 21(3), 815-829.DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.50773

Cardoso, M. I., Batista, P.,& Graça, A. (2016). A identidade do professor de Educação Física: Um processo simultaneamente biográfico e relacional. Movimento, 22(2), 523-538.DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.54129

Collay, M. (2006). Discerning professional identity and becoming bold, socially responsible teacher-leaders. Educational Leadership and Administration: Teaching and Program Development, 18, 131-146. https://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ795116.pdf

Conceição, J. P., & Dias, M. D. F. S. (2012). No jogo do reconhecimento: estágio supervisionado e identidade docente na formação de professores de História. EntreVer-Revista das Licenciaturas, 2(2), 110-123.

Dubar, C. (2007). Os “ensinamentos” dos enfoques sociológicos da delinquência juvenil. In: Paiva, V.&Sento-Sé, J. T. (Eds.). Juventude em conflito com a lei. (pp. 157-180). Rio de Janeiro: Garamond.

Dubar, C. (1997). A socialização. Porto: Porto Editora.

Dubar, C. (2005). A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes.

Dubar, C. (2003). Formação, trabalho e identidades profissionais. In: Canario, R. (Ed.). Formação e situações de trabalho (pp. 43-52). Porto: Porto Editora.

Dubar, C. (2012). A construção de si pela atividade de trabalho: a socialização profissional. Cadernos de pesquisa, 42(146), 351-367.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742012000200003.

Dubar, C. (2006). A crise das identidades: a interpretação de uma mutação. Porto: Edições Afrontamento.

Farias, G. O., Batista, P. M. F., Graça, A., & do Nascimento, J. V. (2018). Ciclos da trajetória profissional na carreira docente em educação física. Movimento (ESEFID/UFRGS), 24(2), 441-454.DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.75045

Feldkercher, N. (2010). O estágio curricular supervisionado como componente teórico e prático em cursos de formação inicial de professores. Revista Espaço Acadêmico, 10(115), 110-116. http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/10862

Figueiredo, Z. C. C. (2010). Experiências profissionais, identidades e formação docente em educação física. Revista Portuguesa de Educação, 23(2), 153-171. http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-91872010000200007&lng=pt&nrm=iso

Flores, M. A., & Day, C. (2006). Contexts which shape and reshape new teachers’ identities: A multi-perspective study. Teaching and teacher education, 22(2), 219-232.DOI: https://doi.org/10.1016/j.tate.2005.09.002

Formosinho, J. (2001). A formação prática dos professores: da prática docente na instituição de formação à prática pedagógica nas escolas. Revista Portuguesa de Formação de Professores, 1(37-54).

Formosinho, J., & Niza, S. (2009). Iniciação à prática profissional de formação inicial de professores.In: Formosinho, João (Org.). Formação de professores. (pp. 119-139). Porto: Porto Editora.

Fortes, V. M. R. (2008). A constituição da identidade do professor caboverdiano nas relações sociais e de trabalho. 213f. (Tese Doutorado). Centro de Educação, Pontifícia Universidade católica de São Paulo, São Paulo.

Fraga, R. D. (2008). Os/As professores/as de Educação Física e sua condição docente: aprendizagens e sentidos da profissão. 199f. (Dissertação Mestrado). Centro de Educação Física e Desportos, Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo.

Iza, D. F. V., & de Souza Neto, S. (2015). Os desafios do estágio curricular supervisionado em educação física na parceria entre universidade e escola. Movimento, 21(1), 111-123.

Lima, R., Cardoso, S., Resende, R., Albuquerque, A., Castro, J., Pimenta, N. (2014). Formação inicial de professores de Educação Física: a perspectiva dos estudantes estagiários. In: Rolim, R.; Batista, P.,&Queiròs, P. (Eds.) Formação inicial de professores: reflexão e investigação da prática profissional. Porto: Editora FADEUP.

Lopes, A. (2007). A identidade dos professores portugueses do 1º CEB entre o passado e o futuro. In: Leite, C.,& Lopes, A. (Eds.). Escola, currículo e formação de identidades (pp. 173-192). Porto: Edições ASA.

Marcon, D.,& Graça, A. B. D.S., do Nascimento, J. V. (2010). Estruturantes da base de conhecimentos para o ensino de estudantes-professores de Educação Física. (pp. 776-787). Motriz. Journal of Physical Education, 16(3), 776-787. DOI: https://dx.doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n3p776

Negrine, A. (2004). Instrumentos de coleta de informações na pesquisa qualitativa. In: Molina Neto, V.,&Triviños, A. S. (Orgs.). A pesquisa qualitativa na Educação Física: alternativas metodológicas (p. 61-94). Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS/Sulina.

Simões Neto, J. D. C., & do Nascimento, R. M. (2018). O papel do professor-colaborador no contexto do estágio supervisionado em educação física: uma análise da produção científica. Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências-RIEC, 1(2), 245-257. http://www.ojs.ufpi.br/index.php/rics/issue/view/440

Padilha, M. I.,&Nelson, S. (2011). Networks of Identity: The Potential of Biographical Studies for Teaching Nursing Identity. Nursing History Review,19(1), 183-193. Recuperado de: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21329157

Pereira, G. D. S., & Figueiredo, Z. C. C. (2018). O tornar-se professor de Educação Física na formação inicial: um olhar sob as narrativas de formação. Motrivivência, 30(56), 62-75. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n56p62

Patton, M.Q. (1990) Qualitative evaluation and research methods. 2. ed. Newbury Park: Sage.

Resende, R., Carvalho, M., Silva, E., Albuquerque, A., Lima, R., & Castro, J. (2014). Identidade profissional docente: Influência do conhecimento profissional. In P. Queirós, P. Batista, & R. Rolim (Eds.), Formação inicial de professores: Reflexão e investigação da prática profissional (pp. 145-164). Porto: Editora FADEUP.

Ronfeldt, M., & Grossman, P. (2008). Becoming a professional: Experimenting with possible selves in professional preparation. Teacher Education Quarterly, 35(3), 41-60. Recuperado de: https://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ831708.pdf

Rozengardt, R. (2006). Pensar las prácticas de formación de profesores en Educación Física. Educación Física y deporte, 25(2), 81-92. Recuperado de: http://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/educacionfisicaydeporte/article/view/3093

Scherer, A. (2008). O desafio da mudança na formação inicial de professores: o estágio curricular no curso de licenciatura em Educação Física. 2008. 211f. (Tese Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Sparkes, A., & Smith, B. (2014). Qualitative research methods in sport, exercisa and health: from process to product. London: Routledge.

Tardif, M. (2010). Saberes docentes e atuação profissional. Rio de Janeiro: Vozes.

Vieira, L. F., Vieira, J. L. L., & Fernandes, R. (2006). Competência profissional percebida: um estudo com estudantes de educação física em formação inicial. Journal of Physical Education, 17(1), 95-105.Recuperado de: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3375

Vloet, K. (2007). Career learning and teachers’ professional identity: narratives in dialogue. In: Variations in the conditions for teachers’ professional learning and development: sustaining commitment and effectiveness over a career. Oxford Review of Education., 33(4), 69-84.
Publicado
2019-12-20
Cómo citar
Pires, V., Oliveira Farias, G., & Fazendeiro Batista, P. (2019). Construção da identidade profissional docente de estagiários em educação física. Educación Física Y Ciencia, 21(4), e104. https://doi.org/10.24215/23142561e104
Sección
Artículos