As representações sobre o professor de Educação Física nos anos 1970 no Brasil: do desejo à insegurança profissional

  • Guilherme Gonçalves Baptista IFRJ, (Brasil)
  • Juliana Gonçalves Baptista Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio de Janeiro, (Brasil)

Resumen

Esse artigo objetivou analisar as representações de candidatos ao curso da Escola de Educação Física e Desportos (EEFD) da Universidade Federal do Rio de Janeiro no Brasil na década de 1970 sobre a carreira desejada. Foram realizadas entrevistas com quatro ex-alunos da EEFD a partir de um roteiro semiestruturado. Dentre os fatores elencados para justificar a vontade em ingressar na área, destaca-se a presença de um exemplo profissional que marcou a vida escolar dos entrevistados e o gosto por esportes desde a infância. Outro dado relevante foi a ausência de citação sobre o interesse em exercer magistério. Ademais, a ideia de que era uma faculdade associada aos praticantes de atividade física e/ou (ex)atletas era ainda presente ao longo dos anos 1970. Por fim, é caro destacar o aspecto da posição social e as possibilidades econômicas de cada sujeito como itens fundamentais para a construção de representações sobre a área. Embora a imagem da área não fosse um fator de distinção na relação entre os diversos cursos universitários, essa representação se diferenciava na medida em que as possibilidades e ambições dos sujeitos eram postas perante suas condições socioeconômicas.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Alberti V. (2011) Histórias dentro da História (3ª ed.). In: Pinsky C. B. (org.). Fontes Históricas (155 – 202). São Paulo, Brasil: Contexto.

Alves-Mazzotti A. J. (1994). Representações Sociais: aspectos teóricos e aplicações à Educação. Em Aberto, 14(61), 60-78.

Baptista G., G.; Lüdorf S. M. A. (2016). “Educação do corpo”: a leitura de uma agenda em construção. Movimento, 22(3), 723-738.

Baptista G., G.(2019). As marcas de um campo em debate: Os testes de Aptidão Física na Escola de Educação Física e Desportos-UFRJ (1968-1990). (Tese de doutoramento). Faculdade de Educação - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil.

Bourdieu P. (2004). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. [Denice Catani: tradução]. São Paulo, Brasil: Editora UNESP.

Bourdieu P. (2011a). O poder simbólico (15ª ed.). [Fernando Tomaz: tradução]. Rio de Janeiro, Brasil: Bertrand Brasil.

Bourdieu P. (2011b). A distinção: crítica social do julgamento (2ª ed.). [Daniela Kern; Guilherme Teixeira: tradução]. Porto Alegre, Brasil: Zouk.

Bracht V. (1986). A criança que pratica esportes respeita as regras do jogo... capitalista. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 7(2), 62-68.

Caparroz F. E. (1993). Órfãos dos anos 80? Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 14(2), 91-92.

Chartier R. (1991). O mundo como representação. Estudos Avançados, 5(11), 173-191.

Figueiredo Z. C. C. (2004). Formação docente em Educação Física: experiências sociais e relação com o saber. Movimento, 10(1), 89-111.

Gaskell G. (2003). Entrevistas individuais e grupais (2ª ed.). In: Bauer M. W.; Gaskell G. (Orgs.) Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som, um manual (64 – 98). [Pedrinho A. Guareschi: tradução]. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Góis Junior E.; Lovisolo H. R. (2003). Descontinuidades e continuidades do movimento higienista no Brasil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 25(1), 41–54.

Huberman M. (2007) O ciclo de vida profissional dos professores (2ª ed.). In: Nóvoa A. (Org.). Vida de professores. (31 – 61) Porto, Portugal: Porto Editora.

Koselleck R.(2011) Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos (2ª ed.). [Wilma Patrícia Maas; Carlos Almeida Pereira: tradução]. Rio de Janeiro, Brasil: Contraponto.

Le Breton D. (2011) Antropologia do corpo e Modernidade. [Fábio dos Santos Creder Lopes: tradução]. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Leydesdorf S. (2000) Desafios do transculturalismo. In: Alberti V.; Fernandes T. M.; Ferreira M. M. (orgs). História oral: desafios para o século XXI (73 – 84). Rio de Janeiro, Brasil: Editora Fiocruz.

Mauss M. (2003) As Técnicas Corporais. In: Mauss M. Sociologia e Antropologia, São Paulo, Brasil: Cosac & Naify.

Oliveira V. M. (1994). Consenso e conflito da Educação Física brasileira. Campinas, Brasil: Papirus.

Peters G. (2012). O social entre o céu e o inferno: a antropologia filosófica de Pierre Bourdieu. Tempo Social, 24(1), 229 – 261.

Pinto J. F. (2012). Memórias de professores/as de Educação física sobre formação e Práticas Pedagógicas (1950 a 1970). (Tese de doutoramento). Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais, Brasil.

Pirolo A. L. (1996) A Disciplina Voleibol nos Cursos de Licenciatura em Educação Física do Estado do Paraná: processo de conhecimento crítico-reflexivo? (Dissertação de Mestrado). Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, Brasil.

Proni M. W. (2010) Universidade, profissão Educação Física e o mercado de trabalho. Motriz, 16(3), 788-798.

Shilling C. (2005) The body and social theory. (2ª ed). Londres, Inglaterra: Sage Publications.

Soares C. L. (2012) Educação Física: raízes europeias e Brasil. (5ª ed.). Campinas, Brasil: Autores Associados.

Taborda de Oliveira M. A. (2001). A Revista Brasileira de Educação Física e Desportos (1968–1984) e a experiência cotidiana de professores da rede municipal de ensino de Curitiba: entre a adesão e a resistência. (Tese de doutoramento). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, Brasil.

Taborda de Oliveira M. A. (2004). Educação Física escolar e Ditadura militar no Brasil (1968-1984): entre a adesão e a resistência. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 25(2), 9-20.

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Currículo da EEFD-UFRJ. Arquivo do Centro de Memória da EEFD, 1983.

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Projetos da extensão da EEFD-UFRJ. Arquivo do Centro de Memória da EEFD, sd/1989.

Universidade Federal do Rio de Janeiro. EEFD. Ofício Circular da Área de Ensino de Graduação e Corpo Discente. Arquivo do Centro de Memória da EEFD, s/d.
Publicado
2019-12-20
Cómo citar
Baptista, G., & Baptista, J. (2019). As representações sobre o professor de Educação Física nos anos 1970 no Brasil: do desejo à insegurança profissional. Educación Física Y Ciencia, 21(4), e105. https://doi.org/10.24215/23142561e105
Sección
Artículos