Níveis insuficientes de atividade física: prevalência e fatores associados em escolares de um município do nordeste brasileiro

  • Hector Luiz Rodrigues Munaro Núcleo de Estudos em Saúde da População – NESP, (Brasil)
  • Diego Augusto Santos Silva Programa de Pós-graduação em Educação Física - Universidade Federal de Santa Catarina, (Brasil)
  • Adair da Silva Lopes Programa de Pós-graduação em Educação Física - Universidade Federal de Santa Catarina, (Brasil)

Resumen

O objetivo foi estimar a prevalência de níveis insuficientes de atividade física e os fatores associados em escolares. O estudo foi realizado com escolares do ensino médio, residentes em Jequié/BA, Brasil. A população foi de 3.040 escolares, sendo a amostra aleatória, proporcional por conglomerados em dois estágios, resultando em 1.170 escolares. A variável dependente foi os níveis insuficientes de atividade, e as independentes (sociodemográficas e estilo de vida). A prevalência de níveis insuficientes de atividade física foi estimada em 81,5% e, após análise de regressão bruta e ajustada, as variáveis que se mantiveram associadas aos níveis insuficientes de atividade física foram: sexo feminino, idades inferiores a 16 anos, aqueles que não trabalhavam, aqueles cujas mães possuíam menos de oito anos de estudo e os que apresentavam um consumo inadequado de verduras. Estes achados sustentam a necessidade de intervenções de base escolar que atinjam todos os escolares, em especial, aqueles subgrupos que apresentaram maiores probabilidades de serem insuficientemente ativos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Azevedo, M. R., Menezes, A. M., Assunção, M. C., Gonçalves, H., Arumi, I., Horta, B. L., & Hallal, P. C. (2014). Tracking of physical activity during adolescence: the 1993 Pelotas Birth Cohort, Brazil. Revista de Saúde Pública, 48(6), 925-930.

Bacil, E., Rech, C., & Hino, A. (2013). Padrões de atividade física em escolares de Ponta Grossa, Paraná. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 18(2), 177.

Barbosa Filho, V. C., Campos, W., & Lopes, A. S. (2014). Epidemiologia da inatividade física, comportamentos sedentários e hábitos alimentares não-saudáveis em adolescentes brasileiros: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva, 19(1), 173-194.

Barufaldi, L. A., Abreu, G. D. A., Coutinho, E. S. F., & Bloch, K. V. (2012). Meta-analysis of the prevalence of physical inactivity among Brazilian adolescents. Cadernos de Saúde Pública, 28(6), 1019-1032.

Craggs, C., Corder, K., Van Sluijs, E. M., & Griffin, S. J. (2011). Determinants of change in physical activity in children and adolescents: a systematic review. American Journal of Preventive Medicine, 40(6), 645-658.

Craigie, A. M., Lake, A. A., Kelly, S. A., Adamson, A. J., & Mathers, J. C. (2011). Tracking of obesity-related behaviours from childhood to adulthood: a systematic review. Maturitas, 70(3), 266-284.

Dumith, S. D. C. (2008). Proposta de um modelo teórico para a adoção da prática de atividade física. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 13(2), 52-62.

Dumith, S. C., Gigante, D. P., Domingues, M. R., & Kohl III, H. W. (2011). Physical activity change during adolescence: a systematic review and a pooled analysis. International Journal of Epidemiology, 40(3), 685-698.

Farias Júnior, J. C. (2008). Associação entre prevalência de inatividade física e indicadores de condição socioeconômica em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 14(2), 109-114.

Farias Júnior, J. C., da Silva Lopes, A., Mota, J., & Hallal, P. C. (2012). Prática de atividade física e fatores associados em adolescentes no Nordeste do Brasil. Revista de Saúde Pública, 46(3), 505-515.

Hallal, P. C., Andersen, L. B., Bull, F. C., Guthold, R., Haskell, W., Ekelund, U., & Lancet Physical Activity Series Working Group. (2012). Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. The Lancet, 380(9838), 247-257.

Hallal, P. C., Goularte Knuth, A., Alencar Cruz, D. K., Mendes, M. I., & Carvalho Malta, D. (2010). Prática de atividade física em adolescentes brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva, 15(2), 3035-3042.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2012). Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2012. Rio de Janeiro: 254 p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2013). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições da vida da população brasileira. Retirado de: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2013/default.shtm.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE Cidades. (2015). Retirado de: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=291800&search=bahia|jequie.

Kann, L., Kinchen, S., Shanklin, S. L., Flint, K. H., Kawkins, J., Harris, W. A. & Whittle L. (2014). Youth risk behavior surveillance - United States. MMWR Surveill Summ., 63(Suppl 4), 1-168.

Larson, N. I., Neumark-Sztainer, D. R., Harnack, L. J., Wall, M. M., Story, M. T., & Eisenberg, M. E. (2008). Fruit and vegetable intake correlates during the transition to young adulthood. American Journal of Preventive Medicine, 35(1), 33-37.

Legnani, E., Legnani, R. F. S., Barbosa Filho, V. C., Lopes, A. D. S., Campos, W. D., & Gasparotto, G. D. S. (2011). Fatores de risco à saúde cardiovascular em escolares da Tríplice Fronteira. Motriz Revista de Educação Física(Impr.), 17(4), 640-649.

Lippo, B. R. D. S., Silva, I. M. D., Aca, C. R. P., Lira, P. I. C. D., Silva, G. A. P. D., & Motta, M. E. F. A. (2010). Fatores determinantes de inatividade física em adolescentes de área urbana. Jornal de Pediatria, 86(6), 520-524.

Luiz, R. R., & Magnanini, M. M. (2000). A lógica da determinação do tamanho da amostra em investigações epidemiológicas. Cadernos de Saúde Coletiva, 8(2), 9-28.

Moraes, A. C. F. D., Fernandes, C. A. M., Elias, R. G. M., Nakashima, A. T. A., Reichert, F. F., & Falcão, M. C. (2009). Prevalência de inatividade física e fatores associados em adolescentes. Revista da Associação Médica Brasileira, 55(5), 523-528.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. PNUD. (2017). Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional – Movimento é vida: Atividades Físicas e Esportivas pata Todas as Pessoas. Brasília.

Reichenheim, M. E., & Coutinho, E. S. (2010). Measures and models for causal inference in cross-sectional studies: arguments for the appropriateness of the prevalence odds ratio and related logistic regression. BMC Medical Research Methodology, 10(1), 66.

Rodrigues, P. R. M., Pereira, R. A., Cunha, D. B., Sichieri, R., Ferreira, M. G., Vilela, A. A. F., & Gonçalves-Silva, R. M. V. (2012). Fatores associados a padrões alimentares em adolescentes: um estudo de base escolar em Cuiabá, Mato Grosso. Revista Brasileira de Epidemiologia, 15(3), 662-674.

Santos, M. S., Hino, A. A. F., Reis, R. S., & Rodriguez-Añez, C. R. (2010). Prevalência de barreiras para a prática de atividade física em adolescentes. Revista Brasileira de Epidemiologia, 13(1), 94-104.

Silva, D. A. S., & Dos Santos Silva, R. J. (2015). Associação entre prática de atividade física com consumo de frutas, verduras e legumes em adolescentes do Nordeste do Brasil. Revista Paulista de Pediatria, 33(2), 167-173.

Silva, K. S. D., Lopes, A. D. S., Hoefelmann, L. P., Cabral, L. G. D. A., De Bem, M. F. L., Barros, M. V. G. D., & Nahas, M. V. (2013). Health risk behaviors project (COMPAC) in youth of the Santa Catarina State, Brazil: ethics and methodological aspects. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, 15(1), 1-15.

Souza, C. D. O., Silva, R. D. C. R., Assis, A. M. O., Fiaccone, R. L., Pinto, E. D. J., & Moraes, L. T. L. P. D. (2010). Association between physical inactivity and overweight among adolescents in Salvador, Bahia-Brazil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 13(3), 468-475.

World Health Organization. (2015). Global strategy on diet, physical activity and health. Disponível: http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_young_people/en/.
Publicado
2020-03-06
Cómo citar
Munaro, H., Silva, D., & Lopes, A. (2020). Níveis insuficientes de atividade física: prevalência e fatores associados em escolares de um município do nordeste brasileiro. Educación Física Y Ciencia, 22(1), e119. https://doi.org/10.24215/23142561e119
Sección
Artículos